sexta-feira, 21 de abril de 2017

[A minha Opinião] Escrito na Água


A Rapariga no Comboio (opinião aqui), como todos devem saber, foi o livro de estreia de Paula Hawkins. Gostei de fazer essa leitura e portanto a expectativa para este segundo livro era grande. 

A Topseller acompanha o lançamento mundial de Escrito na Água e oferece aos leitores portugueses a possibilidade de lerem o livro em simultâneo com todos os restantes leitores, espalhados pelo mundo. Assim não temos de esperar para ler o livro do momento.

Eu tive o privilégio de receber um exemplar de avanço e não ter de esperar até 2 de maio. Mimos bons que a Topseller proporciona a alguns dos seus leitores. E a cereja no topo do bolo, uma carta da autora aos seus leitores. 

"Cuidado com as águas calmas. Não sabemos o que escondem no fundo." Esta é a premissa do livro e o que alimenta a história. Paula Hawkins oferece novamente ao leitor mistério, suspense e muitas questões. 

Entrar nesta leitura foi um desafio. O facto de serem muitas personagens a narrar esta história e a partilharem o seu ponto de vista, baralhou-me um pouco. No total são onze personagens: Jules, Josh, Nickie, Lena, Mark, Louise, Erin, Patrick, Helen, Sean e a personagem central Nel Abbott. Demorei um pouco a interiorizar a ligação entre elas e o peso que as mesmas tinham na história. A primeira parte do livro foi lida com calma, sem pressas, para assimilar as personagens e a história que a autora estava a desenhar. 

A partir da segunda parte do livro a leitura começou a fluir melhor. A familiaridade com as personagens, o crescente mistério em volta do Poço das Afogadas e tantas mortes de mulheres por explicar, fez com que me agarrasse mais avidamente à leitura.

A presença do rio na história é muito forte. Quase que arrisco dizer que também ele é uma personagem na história, com grande magnetismo e mistério. Exerce uma influência inexplicável sobre as personagens, que por vezes é sombria e assustadora e outras que é calma e luminosa.

Há semelhança do primeiro livro de Paula Hawkins, é novamente a violência exercida sobre as mulheres, que tem grande peso na história. A aura de mistério, a paranóia que muitas vezes se confunde com o real e personagens tão singulares e bem construídas, voltam a ser os pontos fortes e identificadores da escrita de Paula Hawkins. 

Será, com certeza, mais um livro que fará muito sucesso entre os leitores do thriller psicológico. Paula Hawkins manteve e qualidade esperada e ofereceu-me uma história tão boa quanto A Rapariga no Comboio

Só vos tenho a dizer isto: dia 2 de maio vão até à livraria mais próxima e comprem o livro. Recomendo-vos a leitura.

Boas leituras!